Censo 2022 mostra transformações na Região Metropolitana de São Paulo: faixas etárias, sexo e raça/cor

No painel População residente nos municípios da Região Metropolitana de São Paulo por faixas etárias, sexo e raça/cor 2010 e 2022 pode-se observar as distribuições  segundo os censos demográficos do IBGE de 2010 e de 2022. É possível fazer o download dos dados. 

Anteriormente o ObservaSaúde publicou um painel com os dados demográficos gerais (Painel Demográfico da Região Metropolitana de São Paulo – 1991 / 2022). Essas publicações tornam mais acessíveis aos trabalhadores do SUS, pesquisadores e demais interessados dados populacionais atualizados e organizados pela Região Metropolitana de São Paulo, e que normalmente não são encontrados em outras fontes nessa forma de divulgação, apesar da importância da Região Metropolitana de São Paulo.

Movendo e pausando o mouse sobre os gráficos obtém-se os dados detalhados.

Pode-se observar que a tendência geral para os municípios, em relação à distribuição etária da população, é a de diminuição da população nas faixas mais jovens e a concentração nas faixas que correspondem a adultos e idosos. Essa distribuição difere bastante da de algumas décadas anteriores, quando a distribuição lembrava a de uma pirâmide, com concentração da população em crianças e jovens.  Pode-se perceber também, tomando os dados do censo de 2022 e para a RMSP como um todo que a distribuição por sexo mostra que a partir da faixa de 25 a 29 anos há uma inversão na proporção de homens e mulheres, com as mulheres tornando-se mais numerosas quanto maior a idade. (saiba mais clicando aqui)

Pesquisador do ObservaSaúde defende doutorado com pesquisa sobre a Agenda 2030 na RMSP

O ObservaSaúde tem o prazer e orgulho de informar que Rubens Moriya, Secretário Adjunto e pesquisador do ObservaSaúde defendeu sua tese de doutorado denominada Agenda 2030 e sua localização: chegamos à metade! E agora? no dia 22 de março de 2024, no Departamento de Política, Gestão e Saúde da Faculdade de Saúde Pública da USP. O doutorado foi orientado pelo Prof. Marco Akerman. A banca foi composta pelos professores Álvaro Escrivão Junior (FGV SP), Rosilda Mendes (Unifesp) e Leandro Giatti (FSP USP), além do orientador. Clique aqui para saber mais.

Na foto, a partir da esquerda: Leandro Giatti, Álvaro Escrivão Junior, Rosilda Mendes, Rubens Moriya, Marco Akerman e Pedro Dimitrov. Crédito: ObservaSaúde.

Painel Demográfico da Região Metropolitana de São Paulo – 1991 / 2022

Por ocasião da divulgação dos resultados do Censo Demográfico 2022 pelo IBGE o ObservaSaúde elaborou um painel sumarizando os resultados para a Região Metropolitana de São Paulo. Como deve ser do conhecimento geral, os dados populacionais são básicos, imprescindíveis e fundamentais para a … Ler mais

Em 2023 comemoraram-se os vinte anos do Observatório de Saúde da Região Metropolitana de São Paulo, o ObservaSaúde. Concebido por uma iniciativa conjunta do Ministério da Saúde, Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo,  Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo e Conselho de Secretários Municipais de Saúde de São Paulo – CosemsSP e formalizada por meio  de um Protocolo de Intenções (Protocolo de Intenções nº 0001 de 2003), o ObservaSaúde foi sediado na Fundação do Desenvolvimento Administrativo – Fundap até 2016, quando a Fundap foi extinta. A partir de então, o ObservaSaúde foi acolhido pelo Departamento de Política, Gestão e Saúde da Faculdade de Saúde Pública da USP. (Saiba mais…)

No terceiro e último evento de 2023 em comemoração aos 20 anos do ObservaSaúde tivemos um BartePapo com Saúde, na sede da Associação Paulista de Saúde Pública APSP, no último dia 1. Nesse BartePapo tivemos a fala do Dr. Pedro Dimitrov, médico sanitarista hoje aposentado que, entre vários outros trabalhos, foi responsável pela criação do ObservaSaúde. O vídeo do evento já está disponível. Não deixe de acompanhar nossa página com os eventos dos nossos 20 anos.  

Para quem não conhece, o BartePapo com Saúde é uma reunião onde um ou mais convidados podem contar histórias e ‘causos’, invariavelmente versando sobre a luta pela Saúde Pública, e que se tornou um evento tradicional da APSP. Este foi o segundo BartePapo da APSP no período pós-pandemia.

No início dos anos 2000 o SUS ainda não era uma realidade nos municípios da Região Metropolitana de São Paulo, como hoje é, e o ObservaSaúde foi pensado em direção a um problema prático, que era a destinação de pacientes dos municípios vizinhos para hospitais e outros equipamentos da cidade de São Paulo. Ao lidar com essa questão, percebeu-se que não havia dados e informações de saúde organizados regionalmente, entre outras questões. Dr. Pedro conseguiu o apoio do Ministério da Saúde, da Secretaria Estadual de Saúde, da Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo e do Conselho de Secretários de Saúde de São Paulo Cosems SP e a assinatura do Protocolo de Intenções 001/2003 que instituiu formalmente o ObservaSaúde. Dr. Pedro foi Secretário-Executivo do ObservaSaúde até 2016, após concluir a mudança da sede da Fundap (Fundação do Desenvolvimento Administrativo, do governo estadual) para o Departamento de Política, Gestão e Saúde da Faculdade de Saúde Pública da USP.

Na avaliação do Dr. Pedro o ObservaSaúde contribuiu para a construção do SUS na região, principalmente quando estava sediado na Fundap e teve recursos para a mobilização de gestores municipais em cursos, palestras e várias atividades de formação e capacitação, além de fornecer e publicar estudos sobre várias questões de saúde da região. Veja o vídeo do evento e mais clicando aqui.

O painel interativo de Internações Hospitalares da Região Metropolitana de São Paulo traz dados do SIH/SUS de janeiro de 2018 a setembro de 2023. Traz internações hospitalares por ano de internação, tempo de permanência, taxa de mortalidade hospitalar por ano de internação. Todos esses indicadores podem ser filtrados por ano de internação, por local do estabelecimento epor local de residência e por Capítulo da CID-10. (Saiba mais…)

O painel Financiamento e Gasto em Saúde sumariza em três indicadores selecionados o acompanhamento que eixo  temático Financiamento e Gasto faz do Siops (Sistema de Informações sobre Orçamentos Públicos em Saúde). 

O primeiro indicador é a Porcentagem da Receita Própria aplicada em saúde nos municípios, conforme a Emenda Constitucional 29/2000, que estabelece que 15% dessa receita seja destinada pelos municípios em gastos com saúde. O segundo indicador é a Evolução da Receita Disponível per Capita, e o terceiro indicador é o de Gasto Total Per Capita do SUS. Todos os valores são corrigidos pelo IGP-DI.

É possível selecionar qual Região de Saúde e município, e assim obter uma visão ao mesmo tempo histórica e comparativa. (clique aqui para saber mais e baixar a planilha completa)

Em continuidade com as atividades do eixo temático Força de Trabalho em Saúde, coordenado por Arnaldo Sala e Clovis Bueno de Azevedo (e Carinne Magnano até recentemente), o ObservaSaúde lança o primeiro de uma série de painéis interativos versando sobre a saúde da RMSP, além do Painel Covid-19 que também pode ser visto no nosso site.

No painel abaixo clicando com o mouse pode-se selecionar as categorias de Profissionais (auxiliar de enfermagem, enfermeiros, médicos, técnicos de enfermagem e outros), Regiões de Saúde da RMSP,  e o tipo de vínculo empregatício (categorias do CNES Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde) e as alterações são exibidas nos gráficos. Os gráficos, por sua vez, também respondem as seleções do mouse.  

Sobre o tema intermediação e vínculos da força de trabalho, recomendamos em especial o Webinar Intermediação dos Vínculos de Trabalho em Saúde, que pode ser assistido na íntegra aqui, e a apresentação feita pelos coordenadores do eixo no evento de comemoração de 20 anos do ObservaSaúde, aqui, e que apresenta de forma resumida essa questão (com vídeo em breve).

Esperamos que as informações aqui reunidas possam interessar e dar apoio aos gestores, pesquisadores e demais interessados nesse tema. Nos ajude a divulgar compartilhando essa publicação e nos acompanhando nas nossas redes sociais.

Dois membros do ObservaSaúde receberam a Medalha de Honra ao Mérito em Saúde Pública ‘Walter Leser’, na noite do dia 16 de outubro de 2023, na Sala São Paulo, no centro da capital. Na sua segunda edição, a distinção agraciou profissionais e entidades envolvidas na construção do SUS em seus 35 anos de existência, desde a Constituição de 1988. Entregue por iniciativa da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo a solenidade além da entrega de medalhas para 28 indivíduos (4 delas ‘in memoriam‘) homenageou o Instituto Butantan, a Organização Panamericana de Saúde OPAS e a Iniciativa Todos pela Saúde. 

O Secretário-Executivo do ObservaSaúde Dr. Álvaro Escrivão Jr e a Coordenadora do eixo temático Financiamento e Gasto Neide Miyako Hasegawa foram os dois membros do ObservaSaúde que receberam a distinção. (Saiba mais…)

APSP Associação Paulista de Saúde Pública completou 50 anos de fundação em 2022. Trazemos o documentário em 3 partes APSP 40 anos,  como registro e nossa homenagem à essa importantíssima entidade, sem a qual o ObservaSaúde não teria sido possível. (clique aqui para ver as 3 partes)

Covid Longa na Região Metropolitana de São Paulo, terminologia, identificação, classificação e registro nos sistemas de informação – Jenifer Toniolo

O objetivo do presente estudo foi conhecer a terminologia, a classificação e os registros de doenças e atendimentos relacionados à Covid Longa através dos sistemas de informação nacionais disponíveis para consulta e realizado em atendimento à demanda do Observatório de Saúde da Região Metropolitana de São Paulo. Saiba mais:

ObservaSaúde realizou o Webinar Financiamento do SUS na Região Metropolitana de São Paulo: O protagonismo dos municípios na pandemia de Covid-19 no último dia 11 de outubro. A programação trouxe a apresentação de um estudo realizado pelo ObservaSaúde, a apresentação dos casos dos municípios de Guararema e São Bernardo do Campo e comentários de Mariana Alves Melo, assessora do Cosems/SP.
 

O objetivo do webinar é apresentar, ressaltar e colocar em discussão o papel dos municípios como atores fundamentais no enfrentamento da pandemia de Covid-19, procurando explorar e entender as especificidades de cada experiência no contexto da Região Metropolitana de São Paulo. 

Clique aqui para saber mais.

Apoio da Comissão de Cultura e Extensão Universitária.

Através de exploração de dados do Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde CNES de 2016 a 2021, os coordenadores e participantes do eixo temático Força de Trabalho em Saúde do ObservaSaúde apresentaram, no dia 8 de junho, os principais achados do estudo em webinar, pelo canal YouTube da Faculdade de Saúde Pública da USP. O estudo foi apresentado por Carinne Magnago (FSPUSP), Arnaldo Sala (SES) e Clovis Bueno de Azevedo (FGV EAESP). 

O webinar foi coordenado pelo Secretário Executivo do ObservaSaúde Álvaro Escrivão Junior, e teve comentários de Mariana Cabral Schveitzer (Unifesp), Íris Vinha (Sec. Saúde de Mauá) e Lídia Tobias Silveira (Cosems/SP).

Saiba mais clicando aqui:

Apoio da Comissão de Cultura e Extensão Universitária.

Como os órgãos de saúde da Região Metropolitana de São Paulo estão enfrentando a 'Covid Longa'?

Acompanhamento da ‘Covid longa’ – O ObservaSaúde continua o esforço para monitorar a Covid-19. O projeto conduzido pelos eixos de Condição de Vida e Saúde e Capacidade Instalada passa a agregar participantes do eixo de Gestão do Conhecimento e tem procurado convidar pesquisadores e profissionais envolvidos na compreensão e na assistência da chamada  ‘Covid Tardia’,  ‘Síndrome pós-Covid’ ou “Covid Longa’, isto é, o conjunto de sintomas e/ou condições que decorrem da infecção de Covid19 e que persistem ou surgem até 6 meses após a infecção inicial. Tais condições envolvem principalmente alterações respiratórias, neurológicas, cardiológicas, circulatórias,  mas também podem surgir em uma grande variedade de outros sintomas e condições, bem como alterações envolvendo a piora da saúde mental.

Ainda não se dispõe de dados nas bases públicas mais utilizadas nem sobre a incidência nem sobre a demanda por assistência e que possam ter as variações relacionadas à Covid-19. Estimativas apontam que até 20% das pessoas que tiveram Covid-19 apresentam sintomas e/ou condições que persistem por mais de um mês após a infecção. Dado que a incidência de Covid-19 foi muito alta é de se esperar que o atendimento à ‘Covid longa’ pressione e seja mais um desafio à assistência à saúde e ao SUS. Conhecer, divulgar e estimular ações de registro, vigilância e enfrentamento da ‘Covid Longa’ na Região Metropolitana de São Paulo é uma tarefa que o ObservaSaúde está conduzindo atualmente, e que pretendemos em breve divulgar na forma de seminário e/ou publicação.

Artigo – A compreensão sobre as consequências e extensão da epidemia de Covid-19 não pode deixar de abordar diversos outros fatores, como a atuação dos diferentes níveis de governo e as consequências da interrupção de políticas em áreas estratégicas para a saúde, como medicamentos, equipamentos, disseminação de práticas terapèuticas, pesquisa e produção de vacinas, entre outras, que impactaram a forma como a pandemia se desenrolou no país e, por seguinte, na Região Metropolitana. Por sugestão do Prof. Moisés Goldbaum estamos divulgando o artigo Política de Ciência, Tecnologia e Inovação em Saúde (CT&I/S): uma atualização para debate, que relaciona o tema com a pandemia de Covid-19 (Clique aqui para mais informações)

Eixos Temáticos e RMSP