A vitamina D desempenha um papel fundamental no sistema imunológico.

Dentre algumas funções:

  • Modulação da produção de citocinas inflamatórias
  • Promoção da diferenciação celular
  • Regulação da produção de proteínas antimicrobianas que atacam patógenos reduzindo assim a inflamação

Estudos anteriores mostraram uma associação entre a deficiência de vitamina D e o aumento de risco de infecções do trato respiratório em todos os grupos etários. Atualmente, baixos níveis sanguíneos de vitamina D foram observados em pacientes com COVID-19.

Alguns estudos associaram a presença de comorbidades e anteriores (como doenças crônicas não transmissíveis) e deficiência de vitamina D com aumento de chance de morte em pacientes com COVID-19.

Estudos experimentais sugerem uma interação entre a vitamina D, com a enzima conversora de angiotensina II (ACE2) e o sistema renina-angiotensina(SRA). Além disso descobertas recentes descreveram a ACE2 como receptor celular para a entrada do novo coronavírus nas células humanas. A ACE2 participa do SRA, o qual é responsável pela manutenção do equilíbrio eletrolítico e regulação da pressão arterial.

A importância da vitamina D no sistema imune e a repercussão das pesquisas descrevendo baixos níveis desta vitamina em pacientes com COVID-19 geraram questionamentos sobre o papel da suplementação de vitamina D na prevenção e no combate da infecção pelo novo coronavírus, aumento a busca por suplementos alimentares e automedicação.

O Ministério da Saúde (MS), o Conselho Regional de Nutricionistas (CRN-3), a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), a Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM) e a Associação Brasileira de Avaliação Óssea e Osteometabolismo (ABRASSO) posicionaram-se sobre o tema vitamina D e COVID-19.