Artigos

  1. Pereira EC, Leroux IN, Luz MS, Batista, BL, Olympio KPK. 2022. Study of controlled migration of cadmium and lead into foods from plastic utensils for children. Environmental Science and Pollution Research. Published 11 March 2022. https://link.springer.com/article/10.1007/s11356-022-19433-2
  2. Salles FJ, Tavares DJB,  Freire BM, Ferreira APSS, Handakas E, Batista BL, Olympio KPK. 2021. Home-based informal jewelry production increases exposure of working families to cadmium. Science of the Total Environment. 785:147297. 10.1016/j.scitotenv.2021.147297
  3. Oliveira AS, Costa EAC, Pereira EC, Freitas MAS, Freire BM, Batista, BL, Luz MS, Olympio KPK.  2021. The applicability of fingernail lead and cadmium levels as subchronic exposure biomarkers for preschool children. Science of The Total Environment, 758: 143583   10.1016/j.scitotenv.2020.143583
  4. Pereira EC, Ferreira APSS, Sato APS, Fischer FM, Olympio KPK. 2020. Home-based outsourced informal work by children and adolescents impacts sleep and leisure—a preliminary study.  Environmental Science and Pollution Research,  27:32754–32761.  10.1007/s11356-020-09551-0
  5. Olympio KPK, Ferreira APSS, Rodrigues MHC, Luz MS, Albuquerque LGR, Barbosa JrF, Cardoso MRA, Oliveira PV, Buzalaf MAR. 2020. Are fingernail lead levels a reliable biomarker of lead internal dose? Journal of Trace Elements in Medicine and Biology. 62:126576 10.1016/j.jtemb.2020.126576
  6. Olympio KPK, Salles FJ, Ferreira APSS, Pereira EC, Oliveira AS, Leroux IN, Vieira FBA. 2019. The human exposome unraveling the impact of environment on health. Revista de Saúde Pública (online), 53:6. 11606/S1518-8787.2019053000649
  7. Ferreira APSS, Pereira EC, Salles FJ, Silva FF, Batista BL, Handakas E, Olympio KPK. 2019. Home-based and informal work exposes the families to high levels of potentially toxic elements. Chemosphere, 218:319-327. 1007/s11356-020-09551-0
  8. Leroux IN, Ferreira APSS, Paniz FP, Silva FF, Luz MS, Batista BL, Marchione DM, Olympio KPK. 2019. Brazilian preschool children attending day care centers show an inadequate micronutrient intake through 24-h duplicate diet. Journal of Trace Elements in Medicine and Biology, 54:175-182. 10.1016/j.jtemb.2019.04.001
  9. Pexe ME, Marcante A, Luz MS, Fernandes PHM, Chiaravalloti Neto F, Sato APS, Olympio KPK. 2019. Hairdressers are exposed to high concentrations of formaldehyde during the hair straightening procedure. Environ Sci Polluti Res, 26:27319-27329. 10.1007/s11356-019-05402-9
  10. Olympio KPK, Huila MFG, Cardoso CAB, Ferreira APSS, Ortiz AG, Toma HE, Silva RHA, Luz MS, Cardoso MRA, Kelmer GAR, Oliveira PV, Bechara EJH, Gunther WMR, Buzalaf MAR.2018. Correction to: Can in vivo surface dental enamel microbiopsies be used to measure remote lead exposure?. Environmental Science and Pollution Research, 25:9330-9330. 10.1007/s11356-018-1609-y
  11. Olympio KPK, Silva JPR, Silva AS, Souza VCO, Buzalaf MAR, Barbosa Jr F, Cardoso MRA. 2018. Blood lead and cadmium levels in preschool children and associated risk factors in São Paulo, Brazil. Environmental Pollution, 240:831-838. 10.1016/j.envpol.2018.04.124
  12. Leroux, IN, Ferreira APSS, Paniz FP, Pedron T, Salles FJ, Silva FF, Maltez HF, Batista BL, Olympio KPK. 2018. Lead, Cadmium, and Arsenic Bioaccessibility of 24 h Duplicate Diet Ingested by Preschool Children Attending Day Care Centers in Brazil. International Journal of Environmental Research and Public Health, 15:1778.  10.3390/ijerph15081778
  13. Leroux, IN, Ferreira APSS, Silva JPR, Bezerra FF, Silva FF, Salles FJ, Luz MS, Assuncao NA, Cardoso MRA, Olympio KPK. 2018. Lead exposure from households and school settings: influence of diet on blood lead levels. Environmental Science and Pollution Research , 25:31535-31542. 10.1007/s11356-018-3114-8
  14. Silva JPR, Salles FJ, Leroux IN; Ferreira APSS, Silva AS, Assuncao NA, Nardocci AC, Sato APS, Barbosa Jr F, Cardoso MRA, Olympio KPK. 2018. High blood lead levels are associated with lead concentrations in households and day care centers attended by Brazilian preschool children. Environmental Pollution, 239:681-688. 1016/j.envpol.2018.04.080
  15. Salles FJ, Sato APS, Luz MS, Favaro DIT, Ferreira FJ, Paganini WS, Olympio KPK. 2018.The environmental impact of informal and home productive arrangement in the jewelry and fashion jewelry chain on sanitary sewer system. Environmental Science and Pollution Research, 25:10701-10713. 10.1007/s11356-018-1357-z
  16. Olympio KPK, Goncalves CG, Salles FJ, Ferreira APSS, Silva AS, Buzalaf MAR, Cardoso MRA, Bechara EJH. 2017. What are the blood lead levels of children living in Latin America and the Caribbean?. Environment International, 101:46-58. 1016/j.envint.2016.12.022
  17. Cardoso CAB, Lacerda B, Mangueira D, Charone S, Olympio KPK, Magalhaes AC, Pessan JP, Vilhena FV, Sampaio F, Buzalaf MAR. 2015. Mechanisms of action of fluoridated acidic liquid dentifrices against dental caries. Archives of Oral Biology, 60:23-28. 1016/j.archoralbio.2014.08.016
  18. Cardoso CAB, Mangueira DFB, Olympio KPK, Magalhães AC, Rios D, Honório HM, Vilhena FV, Sampaio FC, Buzalaf MAR. 2014. The effect of pH and fluoride concentration of liquid dentifrices on caries progression. Clinical Oral Investigations, 18:761-767 1007/s00784-013-1031-2
  19. Martinez EHS, Frias AC, Mendes HJ, Olympio KPK. 2013.Per capita cost of fluoridating the public water supply in a large municipality. RGO. Revista Gaúcha de Odontologia, 61:549-556.
  20. Buzalaf MAR, Moraes CM, Olympio KPK, Pessan JP, Grizzo LT, Magalhaes AC, Oliveira RC, Groissman S, Ramires I. 2013. Seven years of external control of fluoride levels in the public water supply in Bauru, São Paulo, Brazil. Journal of Applied Oral Science, 21:92-98. 1590/1678-7757201302196
  21. Zohoori FV, Buzalaf MAR, Cardoso CAB, Olympio KPK, Levy FM, Grizzo LT, Mangueira DFB, Sampaio FC, Maguire A. 2013.Total fluoride intake and excretion in children up to 4 years of age living in fluoridated and non-fluoridated areas. European Journal of Oral Sciences, 121:457-464. 1111/eos.12070
  22. Bardal PAP, Olympio KPK, Buzalaf MAR, Dallari SG. 2012. Questões atuais sobre a vigilância sanitária das concentrações de flúor em alimentos. Cadernos de Saúde Pública, 28:573-582. 10.1590/S0102-311X2012000300017
  23. Levy FM, Olympio KPK, Philippi ST, Buzalaf MAR. 2012. Fluoride intake from food items in 2- to 6-year-old Brazilian children living in a non-fluoridated area using a semiquantitative food frequency questionnaire. International Journal of Paediatric dentistry, 23: 444-451. 1111/ipd.12015
  24. Bardal PAP, Olympio KPK, Bastos JRM, Henriques JFC, Buzalaf MAR. 2011. Educação e motivação em saúde bucal: prevenindo doenças e promovendo saúde em pacientes sob tratamento ortodôntico. Revista Dental Press de Ortodontia e Ortopedia Facial, 16:95-102.  10.1590/S2176-94512011000300012
  25. Olympio KPK, Naozuka J, Magalhaes AC, Garcia MVP, Oliveira PV, Buzalaf MAR, Bechara EJH, Gunther WMR. 2010. Microbiopsies of Surface Dental Enamel as a Tool to Measure Body Lead Burden. Journal of Toxicology and Environmental Health. Part A, 73:627-636. 10.1080/15287390903578224
  26. Olympio KPK, Naozuka J, Oliveira PV, Cardoso MRA, Bechara EJH, Günther WMR. 2010. Association of dental enamel lead levels with risk factors for environmental exposure. Revista de Saúde Pública, 44:851-858.  10.1590/S0034-89102010000500010
  27. Vilhena FV, Olympio KPK, Lauris JRP, Delbem ACB, Buzalaf MAR. 2010. Low-Fluoride Acidic Dentifrice: A Randomized Clinical Trial in a Fluoridated Area. Caries Research (Online), 44:478-484.  10.1159/000320364
  28. Olympio KPK, Oliveira PV, Naozuka J, Cardoso MRA, Marques AF, Günther WMR, Bechara EJH. 2010.Surface dental enamel lead levels and antisocial behavior in Brazilian adolescents. Neurotoxicology and Teratology, 32:273-279.  10.1590/S0034-89102010000500010
  29. Olympio KPK, Gonçalves C, Günther WMR, Bechara EJH. 2009. Neurotoxicity and aggressiveness triggered by low-level lead in children: a review. Revista Panamericana de Salud Pública (Impresa) / Pan American Journal of Public Health, 26:266-275.  10.1590/S1020-49892009000900011
  30. Olympio KPK, Cardoso VES, Bijella MF, Pessan JP, Delbem ACB, Buzalaf MAR. 2009. Urinary fluoride output in children following the use of a dual-fluoride varnish formulation. Journal of Applied Oral Science, 17:179-183.  10.1590/S1678-77572009000300009
  31. Bechara EJH, Dutra F, Cardoso VES, Sartori A, Olympio KPK, Penatti CAA, Adhikari A, Assuncao NA. 2007.The dual face of endogenous a-aminoketones: Pro-oxidizing metabolic weapons?. Comparative Biochemistry and Physiology. C, Toxicology & Pharmacology, 146:88110. 10.1016/j.cbpc.2006.07.004
  32. Olympio KPK, Bardal PAP, da S Cardoso VE, Oliveira RC,  Bastos JRM, Buzalaf MAR. 2007. Low-Fluoride Dentifrices with Reduced pH: Fluoride Concentration in Whole Saliva and Bioavailability. Caries Research, 41:365-370. 10.1159/000104794
  33. Olympio KPK, Bardal PAP, Henriques JFC, Bastos JRM. 2006. Prevenção de cárie dentária e doença periodontal em Ortodontia: uma necessidade imprescindível. Revista Dental Press de Ortodontia e Ortopedia Facial, 11:110-119. 1590/S1415-54192006000200014
  34. Olympio KPK, Bardal PAP, Bastos JRM, Buzalaf MAR. 2006. Effectiveness of a chlorhexidine dentifrice in orthodontic patients: a randomized-controlled trial. Journal of Clinical Periodontology, 33(6):421-426. 1111/j.1600-051X.2006.00927.x
  35. Bardal PAP, Olympio KPK,Valle AAL; Tomita NE. 2006. Cárie dentária em crianças como fenômeno natural ou patológico: ênfase na abordagem qualitativa. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, 11(1):161167. 1590/S1413-81232006000100024
  36. Ramires I, Olympio KPK, Maria AG; Pessan JP, Cardoso VES, Lodi CS, Buzalaf MAR. 2006. Fluoridation of the public water supply and prevalence of dental fluorosis in a peripheral district of the municipality of Bauru, SP.Journal of Applied Oral Science, 14(2):136-41. 10.1590/S1678-77572006000200013
  37. Bardal PAP, Olympio KPK, Buzalaf MAR, Bastos JRM. 2005. Dental caries and dental fluorosis in 7-12-year-old schoolchildren in Catalão, Goiás, Brazil. Journal of Applied Oral Science, 13(1):35-40.  1590/S1678-77572005000100008
  38. Bastos RS, Olympio KPK, Bijella VT, Buzalaf MAR, Bastos JRM. 2005.Trends in dental caries prevalence in 12-year-old schoolchildren between 1976 and 2001 in Bauru, Brazil. Public Health, 119(4):269-275. 1016/j.puhe.2004.06.009
  39. Buzalaf MAR, de Almeira BS, Cardoso VES, Olympio KPK, Furlani TA. 2004. Total and acid-soluble fluoride content of infant cereals, beverages and biscuits from Brazil. Food Additives and Contaminants, 21(3):210-215. 1080/02652030310001637128
  40. Ramires I, Bastos JRM, Aquilante AG, Sales Peres SHC, Olympio KPK. 2004. Xilitol – Perspectivas de uso em odontologia. Revista da Associação Paulista de Cirurgiões-Dentistas, São Paulo, 58(1):53-58.
  41. Buzalaf MAR, Almeida BS, Olympio KPK, Cardoso VES, Sales Peres SHC. 2004. Enamel fluorosis prevalence after a 7-year interruption in water fluoridation in Jaú, São Paulo, Brazil. Journal of Public Health Dentistry, Estados Unidos, 64(4): 205-208. 1111/j.1752-7325.2004.tb02754.x
  42. Sales Peres A, Olympio KPK, Cunha LSC, Bardal PAP. 2004. Odontologia do Trabalho e Sistema Único de Saúde – uma reflexão. Revista da ABENO, 4(1):38-41.
  43. Bastos JRM, Silva PA, Olympio KPK, Bardal PAP. 2003. Uso de selantes em programas odontológicos públicos e privados. Revista Gaúcha de Odontologia, 51(2):83-86.
  44. Bastos JRM, Lauris JRP, Olympio KPK, Silva PA, Bardal PAP, Cardoso VES. 2003. Levantamento das condições de saúde bucal de escolares de sete a doze anos de idade, em Catalão, Goiás, ano 2001, com base na metodologia da OMS. UFES:Revista de Odontologia , 5(1):13-19
  45. Bardal PAP, Olympio KPK, Cardoso VES, Bastos JRM, Buzalaf MAR. 2003. Evaluation of pH and total, soluble and ionic fluoride concentrations of dentifrices commercially available in Brazil. Oral Health and Preventive Dentistry, 1(4):283-289.
  46. Olympio KPK, Bastos JRM, Henriques JFC, Cardoso VES, Silva PA, Bardal PAP, Ramires I. 2003.Caries y enfermidad periodontal causadas por tratamiento ortodóntico en ausencia de un programa educativo-preventivo. Revista Odontológica Dominicana, República Dominicana, 9:31-38.
  47. Buzalaf MAR, Granjeiro JM, Cardoso VES, Silva TL, Olympio KPK. 2003. Fluorine content of several brands of chocolate bars and chocolate cookies found in Brazil. Pesquisa Odontológica Brasileira, 17(3) 223-227.  1590/S1517-74912003000300005
  48. Cardoso VES, Olympio KPK, Granjeiro JM, Buzalaf MAR. 2003. Fluoride content of several breakfast cereals and snacks found in Brazil. Journal of Applied Oral Science, 11(4):306-310. 10.1590/S1678-77572003000400006
  49. Bastos JRM, Aquilante AG, Almeida BS, Ramires I, Olympio KPK, Lauris JRP. 2003. Panorama of the fluoridation of public water supply in Brazil and world. Revista do Instituto de Ciências da Saúde, 21(2):159-164.
  50. Bastos JRM, Aquilante AG, Almeida BS, Ramires I, Olympio KPK, Lauris JRP. 2003. Panorama da fluoretação da água de abastecimento público no Brasil e no mundo. Revista do Instituto de Ciências da Saúde, 21(2):153-158.

Livros

 

Biomarkers in toxicology

 link do livro :

https://link.springer.com/referencework/10.1007/978-3-030-87225-0

Capítulo: Biomarkers of Lead Exposure: Platforms and Analysis

Autores : Kelly Polido Kaneshiro Olympio,  Fernanda Junqueira Salles,  Naomi Akiba &  Maciel Santos Luz

link do capítulo:

https://link.springer.com/referenceworkentry/10.1007/978-3-030-87225-0_31-1

 

 

 

 

Clique na imagem e baixe esta obra gratuitamente!

Produção de Semijoias em Limeira-SP
Conexões entre vida, trabalho e família

Organização: Sandra Francisca Bezerra Gemma, Flavia Traldi de Lima, Marta de Mesquita Silva Viganô

Vários autores.
Publicação digital (e-book) no formato PDF.
ISBN: 978-65-87175-21-8

BCCL/UNICAMP – Campinas – 2021

Há capitulos escritos pela Profa. Frifa Marina Fischer , Prof. Rodolfo Andrade de Gouveia Vilela, Profa Kelly Polido Kaneshiro Olympio, além de pesquisadores e alunos eXsat .

 

Chumbo

Veja como proteger a sua família da contaminação por chumbo de um jeito leve e colorido.

Na infância, os nossos filhos, netos, sobrinhos levam muito a mão à boca, e é aí que mora o perigo, pois além da contaminação por micróbios, a criança pode facilmente ter contato com algum objeto ou situação que leva à exposição por chumbo que pode contaminar os pequenos.

Por isso, nós do LEHCA (Laboratório de Análises da Exposição Humanas a Contaminantes Ambientais) da Faculdade de Saúde Pública, juntamente com a Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Secretaria Municipal de Educação de Suzano, a CETESB (Companhia Ambiental do Estado de São Paulo), o Ministério da Saúde (Coordenação Geral de Vigilância em Saúde Ambiental e Departamento de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador) e a OPAS (Organização Pan-Americana da Saúde) queremos ajudar você a proteger a saúde dos seus pequenos da contaminação por chumbo.

Faremos isso de forma lúdica, com quadrinhos, personagens e jogos para a família se juntar e aprender brincando. Acreditamos que essa fase tão gostosa das crianças, de descoberta do mundo, precisa e pode ser mais segura

 

https://www.fsp.usp.br/prevencao-da-contaminacao-por-chumbo/

Fique por dentro!

 

Utensílios plásticos coloridos podem apresentar altas concentrações de cádmio e chumbo

 

Em um estudo desenvolvido por pesquisadores da Faculdade de Saúde Pública da USP, do Instituto de Pesquisas Tecnológicas de São Paulo e da Universidade Federal do ABC, foram identificadas altas concentrações de cádmio e chumbo em utensílios plásticos coloridos (copos, canecas, pratos e tigelas) que, supostamente, são destinados ao uso de crianças.

Para determinar as concentrações desses elementos tóxicos, inicialmente, os pesquisadores utilizaram um analisador portátil com fluorescência de raios x acoplada para determinação das concentrações dos elementos de interesse. Os utensílios que apresentaram concentrações de cádmio e chumbo passaram por testes de migração específica, em laboratório, para captar a fração de massa desses elementos que possuem potencial de migrar dos utensílios para alimentos e bebidas que entrem em contato com os mesmos, o que pode representar uma via de exposição a cádmio e chumbo. Os resultados encontrados estavam, em sua maioria, acima dos permitidos pela legislação brasileira.

Os resultados são preocupantes, visto que os efeitos toxicológicos desses elementos no organismo, sobretudo o infantil, estão relacionados desde problemas neurológicos a cânceres, evidenciando a necessidade de melhores regulamentações e inspeções desses materiais, desde o seu processo produtivo até o seu uso final.

 

Por: Elizeu Chiodi

A publicação completa do artigo pode ser encontrada no link https://doi.org/10.1007/s11356-022-19433-2.

 

Pereira, E.C., Leroux, I.N., Luz, M.S. et al. Study of controlled migration of cadmium and lead into foods from plastic utensils for children. Environ Sci Pollut Res (2022). https://doi.org/10.1007/s11356-022-19433-2

 

 

O trabalho informal terceirizado na produção de jóias e bijuterias, realizado dentro do domicílio por crianças e adolescentes, afeta o sono e o lazer.

 

Pesquisadores da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo realizaram um estudo em uma cidade brasileira de São Paulo, que possui importante cadeia produtiva  de jóias e bijuterias, e avaliaram se o trabalho informal e terceirizado dentro do ambiente domiciliar para a produção das jóias, também realizado por crianças e adolescentes, impacta nas condições de vida (sono, lazer e os estudos). Segundo artigo publicado em 2020 na revista Environmental Science and Pollution Research. foi verificado que os adolescentes e crianças que trabalham tinham menos horas de sono durante o período escolar em comparação com os não trabalhadores, além de não realizarem mais atividades de lazer durante seu período de férias escolares em comparação com as semanas letivas. Os participantes tinham idades entre 11 e 17 anos, incluindo trabalhadores e não trabalhadores, que responderam questionários sobre suas condições de vida e de trabalho. Os questionários foram aplicados tanto no período escolar quanto no período de férias.  O trabalho infantil é proibido pela legislação brasileira e é uma questão grave e controversa de Saúde Pública, que afeta a educação e a saúde dos envolvidos. A produção doméstica e informal das jóias e bijuterias envolve o uso de elementos tóxicos que são prejudiciais à saúde não só das crianças, mas também dos adultos. É evidente que este tipo de trabalho é realizado por pessoas em situações de vulnerabilidade social, que buscam na produção destes acessórios uma fonte de subsistência. As autoridades competentes devem reforçar a implementação de políticas públicas que protejam não só essas crianças, mas também toda a família envolvida nos processos de produção das jóias.

Por: Giovana Peron Fernandes

Artigo disponível emhttps://doi.org/10.1007/s11356-020-09551-0

 

Pereira, E.C., Ferreira, A.P.S.d., Sato, A.P.S. et al. Home-based outsourced informal work by children and adolescents impacts sleep and leisure—a preliminary study. Environ Sci Pollut Res 27, 32754–32761 (2020).

 

 

Produção informal, terceirizada e domiciliar de jóias e bijuterias expõe famílias a  elementos potencialmente tóxicos.

 

Pesquisadores brasileiros e britânicos investigaram a associação entre o trabalho informal de jóias e bijuterias, realizado dentro do ambiente doméstico, e níveis de elementos potencialmente tóxicos (EPT) no sangue e em amostras de ar presentes na zona de respiração dos trabalhadores em uma cidade brasileira, segundo artigo publicado em 2018 na revista científica Chemosphere. Foi detectado que as concentrações de níquel (Ni), cobre (Cu), zinco (Zn), cádmio (Cd) e chumbo (Pb) nas amostras de ar estavam acima dos valores definidos por diretrizes ocupacionais internacionais. Além disso, uma diferença significativa nas concentrações de chumbo no sangue foi identificada entre o grupo de participantes expostos e não expostos. Os participantes foram considerados “expostos” se pelo menos um membro da família trabalhava de forma informal na produção de jóias e “controle/não expostos” se nenhum membro da família trabalhava na produção de jóias, seja de forma informal ou formal. Foi aplicado questionário de exposição a todos os trabalhadores e as amostras de ar foram coletadas na zona de respiração de 9 soldadores. As amostras de sangue foram coletadas para todos participantes. O processo informal e domiciliar de fabricação de joias e bijuterias  evidencia um cenário complexo e que envolve a utilização de diversos produtos compostos por elementos químicos de alto potencial tóxico. Dentre as etapas de produção, está o processo de soldagem, que libera fumaça e partículas que podem expor os trabalhadores. A concentração de EPT no ar, identificados nesta pesquisa, é motivo de grande preocupação pois os familiares, especialmente as crianças, vivem neste mesmo cenário de exposição. As condições no ambiente de trabalho observadas são inapropriadas, e revelam a necessidade de implementação de ações públicas de proteção a esses trabalhadores e suas famílias.

Por: Giovana Peron Fernandes

Artigo disponível em: https://doi.org/10.1016/j.chemosphere.2018.11.083

 

Ferreira, A.P.S.d., Pereira, E.C, Salles F.J, Silva F.F.d., Batista B.L, Handakas E, Olympio K.P.K. Home-based and informal work exposes the families to high levels of potentially toxic elements.Chemosphere, Volume 218, 319-327, 0045-6535 (2019).

 

 

Brinquedos e joias infantis podem conter elementos químicos que fazem mal à saúde das crianças

 

Pesquisadores da Escola Politécnica de Montreal, no Canadá, investigaram a presença de elementos nocivos à saúde em brinquedos e joias infantis comprados no mercado norte-americano, segundo artigo publicado em 2013 na Revista Environmental Science & Technology e descobriram que 20 das 24 amostras de brinquedos e joias infantis metálicas tinham pelo menos um metal, cuja concentração total excedia os limites de migração regulamentados por diretrizes da União Europeia. A maioria destas amostras continha altas concentrações de chumbo e cádmio disponíveis para o sistema gastrointestinal, o que pode ser perigoso para as crianças. Para determinar o teor total de concentração de metais foi selecionada uma peça representativa ou uma parte desses objetos que pudesse estar sujeita ao contato das crianças.  Os metais podem ser liberados a partir destas matrizes contaminadas nos fluidos gastrintestinais, após ingestão parcial (tinta descascada, fibras) ou ingestão total (pequenos fragmentos) fazendo com que quantidades significativas de metal fiquem biodisponíveis na circulação sanguínea, prejudicando vários órgãos. Os efeitos tóxicos de vários contaminantes em brinquedos e jóias de criança já foram discutidos na literatura científica e você pode aprender mais em nosso site. As crianças constituem um grupo vulnerável à exposição ao metal devido a fase de desenvolvimento e suas características fisiológicas, o que coincide com uma etapa da vida na qual é comum levar objetos à boca.

Por: Giovana Peron Fernandes

Artigo disponível em: https://doi.org/10.1021/es304969n

 

Guney M, Zagury GJ. Contamination by Ten Harmful Elements in Toys and Children’s Jewelry Bought on the North American Market. Environmental Science & Technology. 2013 47 (11), 5921-5930.

 

 

Altos níveis de chumbo no sangue estão associados às concentrações de chumbo em domicílios e creches brasileiras

 

Pesquisadores brasileiros, de universidades federais e estaduais de São Paulo, investigaram se os níveis de chumbo encontrados em residências e creches de crianças pré-escolares brasileiras estão associados com elevados níveis de chumbo no sangue, segundo artigo publicado no ano de 2018 na Revista Environmental Pollution, e encontraram associação significante entre as duas variáveis, sendo azulejos e equipamentos de playground os locais onde foram encontrados a maior parte das medições de alta concentração de chumbo. A exposição ao chumbo dentro das creches, nas quais as crianças passam muitas horas do dia, foi tão relevante quanto as exposições dentro do domicílio, e além disso,  altos níveis de chumbo tiveram maior impacto em crianças mais novas (1 a 3 anos) do que em comparação com crianças um pouco mais velhas (4 a 5 anos). O chumbo pode estar presente em diversas fontes de exposição como ar, água, alimentos e em fontes residenciais, como água da torneira quando o encanamento é metálico, solos contaminados com chumbo, tintas de parede descascando, brinquedos, poeira de móveis, objetos, canos velhos, parques infantis e áreas de lazer com tinta descascando, principalmente aquelas com estruturas antigas e metálicas e em mau estado de conservação e também em outras fontes de exposição descritas neste site.  Esses resultados, em conjunto com a  falta de informações sobre a exposição ao chumbo no Brasil, reforçam a importância da realização de mais estudos e ações, como a proposta neste site, que possam subsidiar políticas públicas no enfrentamento deste problema de saúde pública.

Por: Giovana Peron Fernandes

 

Artigo disponível em:  https://doi.org/10.1016/j.envpol.2018.04.080

da Rocha Silva JP, Salles FJ, Leroux IN, da Silva Ferreira APS, da Silva AS, Assunção NA, Nardocci AC, Sayuri Sato AP, Barbosa F Jr, Cardoso MRA, Olympio KPK. High blood lead levels are associated with lead concentrations in households and day care centers attended by Brazilian preschool children. Environ Pollut. 2018 Aug; 239:681-688

 

 

Comportamento antissocial em adolescentes pode estar relacionado à exposição a chumbo

 

Pesquisadores e pesquisadoras brasileiras, de universidades públicas em São Paulo, avaliaram a associação entre exposição a chumbo e dificuldade de aprendizagem e comportamento antissocial em adolescentes brasileiros moradores de bairros de vulnerabilidade social. O estudo foi  publicado em 2009, na Revista Neurotoxicology & Teratology. Os resultados encontrados foram compatíveis com achados anteriores na literatura científica, que indicam a existência de associação entre: adolescentes com maior frequência de comportamentos antissociais  e níveis mais altos de chumbo no esmalte dentário superficial, um indicador de exposição passada. Considerando apenas o grupo de jovens expostos a alto nível de chumbo, notou-se que existe um risco aumentado de exceder o limite de pontuação no questionário para problemas sociais, comportamento de violação de regras e problemas de externalização (conflitos com outras pessoas e comportamento agressivo). A avaliação do comportamento antissocial foi realizada através da aplicação de questionários para os adolescentes e seus pais. O alto potencial tóxico do chumbo e a presença deste metal em diversas fontes de exposição no nosso cotidiano já é conhecido e você pode aprender mais neste site. As inúmeras evidências científicas apresentadas até o momento sobre como a exposição e a intoxicação por chumbo causam grandes perdas sociais, médicas e econômicas está muito bem estabelecida e é mais do que justificável para a adoção de ações educacionais e formulação de políticas públicas que previnam a exposição ao chumbo e seus efeitos na saúde humana sejam implantadas.

Por: Giovana Peron Fernandes

Artigo disponível em: https://doi.org/10.1016/j.ntt.2009.12.003

 

Olympio KP, Oliveira PV, Naozuka J, Cardoso MR, Marques AF, Günther WM, Bechara EJ. Surface dental enamel lead levels and antisocial behavior in Brazilian adolescents. Neurotoxicol Teratol. 2010 Mar-Apr;32(2):273-9.

 

 

Quais são os níveis de chumbo no sangue de crianças que vivem em países da América Latina e do Caribe?

 

Pesquisadores brasileiros da Universidade de São Paulo, em conjunto com pesquisadoras da Organização Pan-Americana de Saúde e da Secretaria do Verde e Meio Ambiente de São Paulo, analisaram os níveis de chumbo no sangue de crianças entre 0 e 18 anos vivendo em países da América Latina e do Caribe (ALC), segundo artigo publicado em 2017 na revista Environment International. Foi verificado que os níveis de chumbo encontrados no sangue das crianças desta análise são altos (≥10 μg / dL) em comparação com os de crianças na mesma faixa etária vivendo nos EUA, um dos países que representa grande exemplo de sucesso na implementação de políticas públicas para a prevenção e controle da contaminação por chumbo. Esta pesquisa foi realizada a partir de revisão da literatura, que consiste na pesquisa, análise e descrição de informações encontradas em estudos relevantes sobre a temática, produzidos nos países avaliados. A maior parte dos estudos selecionados foram realizados em locais com fontes de emissão de chumbo conhecidas e conduzidos em hotspots, áreas de grande foco de contaminação, nos quais as crianças podem estar expostas a altos níveis de chumbo. Apenas o Peru e o México relataram níveis de chumbo no sangue em crianças a partir de estudos de base populacional, que são mais representativos e possibilitam estimativas para toda a localidade em investigação. Portanto, pouco se sabe sobre a exposição ao chumbo em crianças na América Latina e no Caribe, o que faz com que a porcentagem de crianças em risco ainda seja desconhecida e possivelmente subestimada. Os níveis de chumbo no sangue destacados por esta revisão são ainda mais preocupantes quando comparados aos relatados por EUA, Canadá, Japão e União Europeia, onde os programas de prevenção e controle foram bem idealizados e implementados, evidenciando a urgência com que as agências governamentais na ALC devem reconhecer a intoxicação por chumbo como um problema de saúde pública e elaborar estratégias para o seu enfrentamento.

Por: Giovana Peron Fernandes
Artigo disponível em: https://doi.org/10.1016/j.envint.2016.12.022

 

Olympio KP, Gonçalves CG, Salles FJ, Ferreira AP, Soares AS, Buzalaf MA, Cardoso MR, Bechara EJ. What are the blood lead levels of children living in Latin America and the Caribbean? Environ Int. 2017 Apr;101:46-58.