Inserir um título (3)

O Sistema Alimentar e sua Complexidade

Clique aqui para ouvir esse texto

Você já achou, ou ainda acha, que a comida é algo muito simples e linear como:

ALERTA de ilusão.

Abra-te Sésamo para um mundo muito mais complexo do que essa linha reta e simplista.

O alimento advém de um sistema amplo, repleto de elementos interconectados.

Bem resumidamente:

Para produzir é preciso:

  • pessoas,
  • solo,
  • água,
  • insetos,
  • sementes,
  • clima,
  • biodiversidade,
  • indústria,
  • incentivos fiscais.
  • ….

Na hora de transportar é preciso:

  • sistemas de transporte,
  • leis,
  • economia,
  • combustíveis
  • …..

Sua comercialização inclui:

  • redes de distribuição,
  • marketing,
  • leis,
  • fatores econômicos,
  • embalagens,
  • rótulos

O consumo está relacionado com:

  • genética,
  • propagandas,
  • interações sociais,
  • sistema de saúde,
  • preferências de Consumo,
  • educação,
  • cultura,
  • ….

Isso sem contar o Descarte

Para onde vai esse alimento, qual e quanto lixo é gerado e no que isso implica?

Ufa… Daria pra essa lista ir muito longe.

Cada um desses elementos interagem entre si determinando as particularidades desse grande sistema que tem como principal objetivo levar comida para a mesa das pessoas.

Essas interações são tão dinâmicas e não lineares a ponto de gerar interdependências entre os elementos. 

E assim é o Sistema Alimentar:

Complexo 

por conta desses elementos heterogêneos interligados e interdependentes.

Adaptativo 

por conta da sua capacidade de aprender com essas interações e assim mudar ao longo da história

Assim como são as cidades, sistemas solares, nosso corpo dentre tantos outros sistemas.

Global Food System Map 3. Source: ShiftN, 2009

Que tal essa imagem do sistema alimentar, seus elementos e interações?

Bastante diferente da linearidade mostrada lá na primeira imagem desse post não acha?

Diante de tamanha complexidade, concorda que seria custoso e nada efetivo pensarmos em soluções para Insegurança alimentar e nutricional, por exemplo, olhando apenas para um dos elementos desse complexo sistema alimentar?

Vamos pensar no elemento comportamento alimentar de uma pessoa.

Tal indivíduo faz parte de uma família com vários outros indivíduos e diferentes comportamentos que interagem entre si nesse micro sistema.

Tirando a lupa do indivíduo e olhando o todo é possível ver que essas pessoas influenciam e são influenciadas por propagandas, pelas suas condições econômicas, pela distância que estão de alimentos saudáveis, pela sua genética, pelas políticas públicas, dentre tantos outros fatores.

Imagem extraída da formação: Sistemas de Pensamento, Sistemas complexos e Sistemas Alimentares em 19/04/2022 - Aline Martins de Carvalho - Sustentarea

E cada um desses elementos são ainda influenciados e influenciam tantos outros elementos tornando a análise do consumo alimentar muito mais complexa do que olhar simplesmente para as escolhas de uma pessoa.

Implantar uma estratégia eficiente de mudança de hábito demandaria uma análise mais profunda e sistêmica, entendendo questões macro como políticas públicas, aspectos da comunidade onde esse indivíduo está inserido, suas relações e assim seus comportamentos.

Essa visão do todo (holística) é uma forma de pensamento relativamente nova na Ciência da Nutrição.

Foi apenas lá por volta de 1970, entrando na chamada era da Sustentabilidade dos Sistemas Alimentares que começamos a viver uma mudança de paradigma com relação à forma como olhávamos para obesidade e doenças crônicas.

Um pensamento focado apenas nas partes desse problema, o chamado pensamento reducionista, não seria suficiente para resolvê-lo.

Era preciso olhar para o todo, de forma mais holística a fim de enxergar questões ainda não vistas.

Essa mudança de paradigma foi abordada durante uma Formação ministrada pela Mentora Nadine Marques para o Grupo Sustentarea. 

Dá só uma olhadinha no resumo que a Membra Ana Lúcia Z. Romito fez:

Uma análise sistêmica se torna ainda mais potente quando atores com diferentes pontos de vista se juntam na construção de  um mapa de laços causais e conseguem enxergar de forma holística cada variável, a natureza das suas inter-relações e sempre fazendo perguntas do tipo:

  • E SE….?
  • Como redesenho esse sistema de forma criativa e com coragem de enfrentar os imprevistos?

E é com esse pensamento que o grupo do Sustentarea apoia suas ações.

Estamos sempre refletindo sobre: 

O que é uma alimentação sustentável no contexto brasileiro?

Segundo a FAO, 2012, Dietas sustentáveis são:

Dietas que devem proteger e respeitar a biodiversidade e os ecossistemas, culturalmente aceitável e acessível, economicamente justa; nutricionalmente adequada, segura e saudável; além de otimizar os recursos naturais e humanos.

Só aí já vemos fatores como:

  • Meio ambiente
  • Cultura
  • Economia
  • Nutrição
  • Recursos Humanos

Mas como definir o peso de cada um desses fatores?

Existe um mais importante que o outro?

Entendemos que essa análise depende do ponto de vista.

Analisem com a gente esse gráfico que traz um ponto de vista socioeconômico da Dieta recomendada pela EAT Lancet.

Segundo esse estudo, comer essa dieta considerada sustentável na África Subsaariana custaria em torno de 80% da renda desse povo.

Então, será que lá na África Subsaariana essa dieta é realmente sustentável?

Outro exemplo que nos chama muita atenção é a recomendação para redução do consumo de Mandioca nessa dieta da Eat Lancet.

Como você pode ver com detalhes nesse post que fizemos aqui no Blog, essa raiz tem uma representação cultural significativa no nosso país.

Será que reduzir seu consumo, para nós brasileiros, seria realmente sustentável?  

Não existe uma equação única que responda tudo. 

Mas como bem traz Meadows, 2019:

O jeito sistêmico de enxergar as coisas não é melhor do que o jeito reducionista, é apenas complementar e revelador.

Cada uma dessas formas de ver permite que nosso conhecimento do mundo em que vivemos se torne um pouco mais completo.

E essa foi a semente que a Aline Martins de Carvalho, coordenadora do Sustentarea, plantou no grupo no dia 19 de Abril de 2022 durante a formação Sistemas de Pensamento, Sistemas Complexos e Sistemas Alimentares.

Aline é nutricionista e professora da FSP/USP.

Vem estudando sistemas alimentares e sistemas complexos desde 2018 e é entusiasta de usar transdisciplinaridade para promover alimentação saudável e sustentável para população brasileira.

Esse texto foi escrito por Ana Garbin, Engenheira de Alimentos apaixonada por nutrição e que acredita na educação, na cooperação entre as áreas e na visão sistêmica como ingredientes essenciais para que o Sistema Alimentar consiga cumprir seu  objetivo de alimentar e nutrir as pessoas.

Ana é membra do Sustentarea desde início de 2021

 

Tags: No tags

Faça seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Solve : *
20 + 29 =